Insônia feliz

Oscilando de um bocejo a outro, vinha o cansaço por trás dos olhos caídos, olheiras que se penduravam nas horas que não foram dormidas e nem cochiladas.
Enquanto a maioria dorme, quem vive a madrugada encolhido na cama, esparramado entre travesseiros, música, livros ou pensamentos, ganha cerca de mais oito horas para ser quem bem entende. Nessas horas que se arrastam, o silêncio permite ouvir até a respiração nervosa que é saber que no outro dia deverá estar esperto e produtivo, sem queixas, sem se encostar em um canto ou em alguém e dar aquela sonhada rápida, de quem valoriza até aqueles cinco minutos pós almoço que todo mundo gostaria de ter.
O que fazer em uma ou várias noites de insônia? De fato, é possível descobrir, por exemplo, que dentro do quarto existe um relógio que funciona. De fato, você para de arrumar desculpas e começar a por em dia a leitura que vem se arrastando e crescendo a cada semana. Se não isso, resolve até estudar para aquela prova ou aquele seminário que seria lembrado mais ou menos meia hora antes.
É verdade que um ou duas noites mal dormidas deixa a gente com a cara arrastada, a voz pesada e o humor instável, onde até comercial de perfume nos da vontade de chorar ou de desligar tudo e sair por aí.
É verdade, também, que nessas horas extras você pode conseguir entrar em contato com o seu eu que quase sempre está escondido, porque na maior parte do tempo, as outras vozes, a necessidade das outras pessoas ofuscam isso e você se sente perdido com tanta coisa e tanta informação chegando por todos os lados, todas ao mesmo tempo, sem te deixar respirar ou raciocinar.
O silêncio é um alegria que incomoda. Travam-se conversas mentais e até um diálogo em frente a um espelho, podendo analisar a própria voz, as expressão e ficar na dúvida prazerosa se está falando com um simples reflexo ou um eu que só tem coragem de aparecer na solidão das horas insones.
Então, por bel prazer, olha por entre as grades da janela a chegada do dia, mesmo que não tenha que levantar e trabalhar cedo, coça os olhos pesados, sorrir aliviado por ter segurado mais uma noite.
Levanta, desce, encontra o resto da família para o café. Todos sonolentos, porém quase muito bem dormidos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estado de graça