terça-feira, 27 de março de 2012




Infinitamente penso em você por aí. Chega a ser engraçado. Olho para um cachorro na rua, lembro de você. Vejo uma coisa engraçada, lembro de você. Vejo uma família, penso em você. Durmo, sonho com você. Acordo, desejo um bom dia a você. Rezo, peço por você. Passei daquele estado de graça e me encontro em você. Isso tem dado medo, já que parece que estou fraca. Estou um pouco doente, talvez. Não sei se consigo ficar em pé direito, ainda mais depois de o meu coração ter se entristecido, mas ainda penso demais em você. PENSAR: a única coisa útil que realmente sei fazer. Você: a única pessoa que amo. Complicado perder a utilidade e o amor.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Uma questão de futilidade pública?




Melhor mesmo é se afastar, se você quiser se salvar dessa loucura toda.
Pessoas falam mais do que devem. Pessoas se metem mais do que devem. Pessoas estão virando verdadeiras privadas ou esgotos, onde a mídia e nós mesmos vamos depositando as nossas coisas e pensamentos podres.
Tenha amigos, mas poucos e verdadeiros.
Não sou de ter muitos amigos, mas os poucos que tenho sei que estarão comigo em qualquer momento, inclusive naquelas horas delicadas e tristes.
Prefiro manter o meu silêncio e a minha personalidade pouco influenciável, se é que isso existe.
Também sou produto do meio, mas não preciso me lançar nessa pocilga sem pensar em algum futuro.
Melhor eu me recolher, cultivar os meus sorrisos, a minha pouca sabedoria e as minhas coisinhas ultrapassadas.
Não tenho e nunca tive a obrigação de ser amiga de ninguém e muito menos de me misturar com todo o tipo de pessoa.
Hoje corremos mais do que nunca e esquecemos aniversário, telefonemas, consultas médicas e até de pessoas. Hoje o nível de estresse tem estado no seu limite, a ponto de explodir para dentro e por isso  estamos cheios de crises, antidepressivos e os psicólogos mal tem tido tempo para eles.
Preocupem-se mais com a vida de vocês, senhores. O que a vizinha faz ou deixa de fazer é problema dela. Enquanto não interferir diretamente na sua, por que se importar tanto? Vejo pessoas que deixam de viver para observar cada passo de outra e usam qualquer coisa para infernizar a vida de alguém. Enquanto ninguém mudar isso, ficaremos nesse ciclo maldito onde o que realmente importa é ignorado e as futilidades não só viram assunto na mídia, no trabalho e em casa, como gastamos tempo e dinheiro incentivando esse tipo de coisa.
É PRA ACABAR!

sexta-feira, 2 de março de 2012

Dia de chuva





Agora posso me dar ao luxo de dizer que entendo algumas coisas.
Hoje está chovendo sem parar. Hoje é um dia daqueles que precisamos de amor. Se não puder ter um amor, ao menos um bom cobertor.
Hoje está um daqueles dias que o pensamento fica mais lento e os sentimentos se manifestam de todas as formas possíveis.
Vejo pessoas correndo na rua. Vejo carros com vidros quebrados. Vejo um pouco de romance, um pouco de tristeza. Vejo bastante angústia, mas nada grave demais.
Me limito a escutar músicas em versões acústicas e a procurar um bom cover de uma música realmente ruim para mim.
Me vejo com as mesmas perguntas, ainda sem respostas.
Tomo café que nem uma louca. Penso "Provavelmente não dormirei a noite... Mas não durmo nem quando fico sem o café, qual a diferença? A diferença é que alimentando esse vício me sinto melhor".
Procuro ler alguns livros. Agora que voltei a usar os óculos tudo ficou mais fácil (inclusive enxergar as coisas na sala de aula).
Pretendo tomar um banho de chuva daqui para a minha casa. Espero não gripar depois. Se tem uma coisa pior que tristeza, é a gripe. Deus, gripe é como levar socos na cara e no estômago todos os dias.
Hoje é um daqueles dias que quem tem costela, corre para casa pra ficar agarrado. Quem não tem corre para casa, se cobre com um ou dois cobertores, assiste a um filme e depois vai dormir. Mais, quem não tem costela e nem bom cobertores, corre para festas ou um lugar que tenha gente o suficiente para gerar um certo calor.
Hoje é dia de viver, enfim. Colocar um roupa mais bonita, tomar alguma coisa quente e escutar música velha.
Sei lá, acho que vou sentar na minha varanda e ter uma overdose dessas coisas simples e essenciais.
Tchau.