terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Desapontar-te





Existe a ansiedade de não querer desapontar ninguém, e aí você se esforça, fica pelo avesso, corre, pula, se esconde ou escancara de vez, como forma de ser aprovado ou devidamente apreciado.
Quando finalmente senta em um cantinho, abaixa a cabeça e pensa um pouco, percebe que a uma das ironias da vida é que somos pessoas e não lápis e que ao contrário desse desapontar tão temido, você não pode simplesmente se transformar em um apontador e se moldar ou apontar o outro de forma perfeita, pronto para fazer um rabisco impactante ou uma poesia hermética. Ao contrário, você enxerga que uma das maiores belezas da vida está naquele bilhete feito em um guardanapo amassado, sujo e cheio da nossa essência que temos medo de externalizar e correr o risco de ser desaprovado. Por essas e outras, prefiro usar caneta pra tudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário